Osmar do Prado e Silva (pu3yka) - Pelotas, RS. - Radioamadorismo
Radioamadorismo Virtual
Radioamadorismo Normal
Cinco vídeos sobre radioamadorismo
21/01/2011 - 150 anos do nascimento do Pe. Landell de Moura
13/07/2010-Documentário sobre a missão centenário-ISS (Estação Espacial Internacional) do site de PY2MAO
Sete astronautas da Atlantis em estudos sobre a atmosfera terrestre - vídeo de Júnior Torres de Castro - PY2BJO
Vídeo - Qso via satélite, demonstrando a importância do uso da antena
Contato via AO51 - PU5CFC com PY5LF, PY5FM, PY4MAB e PY4ZBZ
Equipamentos de fabricação caseira
Equipamentos de fabricação industrial
Estações de radioamador
Antenas de radioamador

O Radioamadorismo direcionado para Leigos

Sites com páginas sobre radioamadorismo existem inúmeros na internet, com os mais diversos e completos conteúdos, atendendo a todas as necessidades de qualquer radioamador, variando desde legislação, tipos de equipamentos, até a endereços e sites de vendas de todos os tipos de produtos específicos para o radioamador, assim como esquemas e instruções completas para montagem de equipamentos caseiros.
Entretanto, após demorada pesquisa, nos sites visitados não encontrei nenhum que apresentasse uma linguagem que transmita um bom entendimento ao leigo que não tem como saber termos como: RTTY, SSTV, DX, CW, CARTÃO QSL, COER, FISTEL, entre outros tantos termos conhecidos quase que esclusivamente por radioamadores. Já ouvi alguns radioamadores experientes perguntar o que é PILE UP. Assim, esta página destina-se praticamente a esclarecer estes 'Mistérios' ao público leigo, alimentando a expectativa de atrair a atenção e despertar o interesse dos leitores para o mundo maravilhoso do radioamadorismo, pelo que, peço desculpas aos colegas radioamadores por pouco ou nada acrescentar à classe, já que estes dispõem de farta matéria na internet, porém farta também em linguagem técnica.
Nesta página procurarei ser o mais explícito possível apresentando fotos e vídeos, quando possível, para que o leitor possa dimensionar melhor o mundo radioamadorístico.



O que é Radioamadorismo

O radioamadorismo é um hobby científico com diversas modalidades. O radioamador é a pessoa que procura manter funcionando uma estação de radiocomunicação, ora para comunicados e conversas informais bem como para concursos e competições nacionais e internacionais. Além dos "bate-papos" e contestes, o radioamador pode auxiliar as autoridades de Defesa Civil nas situações de risco e calamidades públicas, levando as comunicações aos mais longínquos rincões, por exemplo, no interior da Amazônia ou da Savana Africana. Algumas dessas modalidades utilizam-se do Código Fonético Internacional e do Código Q em sua comunicação que é muito utilizada por radioamadores no mundo inteiro em troca de informações e mensagens, tanto em curtas quanto em longas distâncias. Além dos operadores de estações amadoras de radiocomunicação, estes códigos são utilizados por serviços diversos, tanto civis quanto militares, e também por profissionais e empresas que utilizam a radiocomunicação como fator de contato entre seus integrantes.



Modalidades de comunicação

São diversas as modalidades de transmissões no radioamadorismo, dentre elas: telegrafia ou CW, AM, SSB-USB/LSB, FM, FSK para os modos digitais: SSTV, RTTY, Packet (Acesso via internet+software+radio), operação via satélite.
QRP - O termo QRP tem sua origem no código Q internacional e significa "Posso diminuir a potência?". No meio radioamadorístico, QRP significa operações com potência RMS de saída do estágio final de RF inferior a 5 Watts (37dBm). Praticantes da arte do QRP muitas vezes constroem e operam seus próprios equipamentos de rádio. Devido a baixa potência, a modulação mais comum usada por radioamadores entusiastas do QRP é o CW (Código Morse); porém, as operações QRP não estão limitadas ao CW. Qualquer tipo de modulação, analógica ou digital, que permita contatos com potências inferiores a 5 Watts pode ser usado em operações QRP. A popularidade do CW tem origem históricas e pelo fato dele ser um modo que pode ser obtido usando circuitos eletrônicos de relativa simplicidade. No Brasil não é diferente, existem muitos praticantes e amantes do QRP. Muitos deles são adeptos a comunicação a longa distancia e a competição. Concursos nacionais e internacionais tem a participação dos amantes desta modalidade, e para troca de informações técnicas existe um grupos de discussão sobre o assunto. Um deles está encontra-se aqui. Um dos mais completos sites que trata de competições no meio radioamadorístico é o SM3CER Contest Service nele você encontra o calendário atualizado das competições em todo mundo, juntamente com suas regras, onde você poderá pesquisar se a competição tem a modalidade QRP, muitas destas competições são puramente QRP, ou seja somente para rádios de baixa potencia.
Existe ainda a possibilidade da montagem de seu próprio equipamento QRP, são muitos os sites a qual incentivam esta prática como é o caso do Radioamador Miguel Angelo Bartié, PY2OHH, no site a qual ele é mantenedor, você poderá encontrar esquemas e dicas, onde sem duvida esta atividade além de prazerosa se tornará mais accessível, principalmente no investimento final.
Hoje em dia pelo desafio muitos são os fabricantes que ainda investem nesta modalidade, como é o caso da Yaesu, Ten Tec, Elecraft e outros, facilitando principalmente aos operadores já que recursos de filtragem melhoram a recepção, além disto o equipamente QRP, já que o consumo de energia é pequeno, é o preferido para quem gosta de acampamentos de final de semana, férias, já que desempenho melhora muito no campo aberto ou mesmo a beira do mar.
Em reconhecimento da popularidade do QRP, o ARRL (American Radio Relay League) incentiva esta modalidade disponibilizando um prêmio para os Radioamadores, que têm contato com pelo menos 100 entidades DXCC, utilizando 5W saída ou menos. Contatos feitos a qualquer momento no passado contarão, e os cartões de confirmação (QSLs) não são obrigatórios, http://www.arrl.org/qrp-dxcc.



O Radioamadorismo como Ciência

Existem no mundo muitos tipos de radioamadores, aqueles que procuram ter uma estação de radiocomunicação com intuito de adquirir conhecimento em diversos ramos da ciência, pois, para se ter uma estação de rádio é necessário dominar diversos ramos do conhecimento tecnológico e científico, alguns são: a Eletricidade, a Eletrônica, a Mecânica, incluindo a Matemática e a Física em modo geral, para os aficcionados em comunicados a longa distância, chamados de DX, destacam-se o conhecimento da Meteorologia, da Astronomia, além de conhecimentos de Geografia, dentre outros ramos do conhecimento. Muitos profissionais das mais diversas áreas nasceram a partir de estudos feitos no radioamadorismo.
A oportunidade de se comunicar com outros colegas radioamadores de todas as partes do mundo por meio de uma estação de rádio traz muitas alegrias, por permitir a integração entre pessoas de diversas culturas e países.
O principal objetivo do radioamador é o aprimoramento de sua estação de rádio através da melhoria constante de seus equipamentos e antenas, o radioamador utiliza as ondas de rádio como meio de propagação de seus comunicados, bem como o estudo da propagação de ondas no espaço, a reflexão ionosférica, reflexão lunar, estudos do espectro de radiofreqüência em geral, aspectos geográficos em radiocomunicação.
Distribuídos por todo o mundo, até 2004 havia mais de 3 milhões, sendo 50% nos Estados Unidos da América. Os radioamadores desempenham um serviço que a legislação internacional define como sendo de auto-aprendizagem, intercomunicações e pesquisas técnicas, realizadas por pessoas devidamente autorizadas, que se interessam pela radiotécnica com objetivos estritamente pessoais, sem fins lucrativos.



Contribuições do Radioamadorismo à Ciência!

No mundo, o radioamadorismo foi responsável pelo avanço de muitas tecnologias. Os radioamadores desenvolveram a base da radiocomunicação desde seu início, se não fossem as técnicas desenvolvidas pelos radioamadores a internet, por exemplo, não existiria, ou demoraria muito mais para ser desenvolvida. Outros avanços que ocorreram graças ao radioamadorismo foram na área da radiocomunicação, como a telefonia celular, o Radar, o sistema de transmissão de dados via microondas e até mesmo o sistema de fornos de microondas.
Os sistemas de telefonia celular partem do mesmo princípio das estações repetidoras que são utilizadas pelos radioamadores, este sistema trabalha em duas frequências diferentes (600 kHz para a faixa de 2 metros), uma para recepção e outra para a transmissão, só que as estações que fazem esta função na faixa de radioamador utilizam uma freqüência por vez (sistema simplex) ao passo que as destinadas à telefonia celular utilizam duas ao mesmo tempo (sistema duplex ou full-duplex), uma para quem fala e outra para quem escuta. Obviamente que hoje as famosas ERBs (Estação Radio Base) de telefonia celular utilizam um sistema muito mais evoluído que o descrito, porém a essência do funcionamento é o mesmo.



Síntese da História do Radioamadorismo!

Em 1864 o inglês James Maxwell previu através de estudos matemáticos a existência de ondas de rádio. Em 1896 o italiano Guglielmo Marconi consegue captar sinais telegráficos a centenas de metros de distância, criando assim o telégrafo sem fios.
Mas foi três anos antes, em 1893, que o cientista gaúcho, padre Roberto Landell de Moura, surpreende diversos paulistas com suas demonstrações públicas de envio de mensagens à distância, em telegrafia e fonia, sem fios, por ondas eletromagnéticas, com aparelhos de sua invenção. O cientista padre Roberto Landell de Moura, um pesquisador nato que por seu pioneirismo tornou-se o Patrono dos Radioamadores do Brasil.
No Rio Grande do Sul, a primeira transmissão que se tem conhecimento ocorreu em 1925 na cidade de São Francisco de Assis, pelo radioamador Tyrteu Rocha Vianna, cujo indicativo era SB3QA, usando um equipamento de seu projeto e construção para poder se comunicar através de ondas de rádio.
Desde então o radioamador tem sido pioneiro, descobrindo novos modos de transmissão em novas faixas de operação. O radioamadorismo virou laboratório para quase todos os grandes projetos técnicos e operacionais que alavancaram a existência humana no mundo das comunicações.
O radioamadorismo é um dos mais fascinantes, versáteis e instrutivos hobbies científicos. Teve início com os transmissores e receptores de telegrafia em ondas curtas. Hoje incorpora alta tecnologia, envolvendo até a construção, lançamento, rastreamento e operação de satélites. A comunicação entre as naves espaciais pelos astronautas a milhares de quilômetros da terra e a estação base, seja a NASA, seja qual for, só se tornou possível graças ao radioamadorismo.
Com quase um século de atuação e com sua freqüente contribuição ao desenvolvimento tecnológico mundial, os radioamadores conquistaram o respeito dos governos e a admiração de largas camadas da população. Por definição, o radioamador é a pessoa que utiliza ondas eletromagnéticas dentro do espectro de freqüência delimitado por convenções internacionais.
Pioneiros, amantes da pesquisa, fiéis servidores da comunidade; estes são alguns dos adjetivos que podem receber os radioamadores, um hobbie que teve início em meados do século XIX.



Quem pode ser Radioamador no Brasil, segundo a legislação brasileira

As estações de radioamadores estão divididas em três classes (C, B e, A) de acordo com a capacidade operacional e técnica para operar estação de radioamador.
Poderão obter o Certificado de Operador de Estação Radioamador (COER) que será expedido à pessoa natural que, tenha comprovado ser possuidora de capacidade operacional e técnica para operar estação de radioamador, nas seguintes condições:
a) - Os brasileiros, maiores de 10 anos, cabendo aos respectivos pais ou tutures a responsabilidade por atos ou               omissões;
b) - Os portugueses, que tenham obtido o reconhecimento da igualdade de direitos e deveres para com os brasileiros;
c) - Outras condições para estrangeiros, funcionários de organismos internacionais, governo brasileiro, entre outros, que       serão descritos futuramente por não ser de imediato interesse de pessoas leigas.
O primeiro certiticado obtido pelo operador que inicia como radioamador é o da Classe C medianta a aprovação nos testes de Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações e, Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse (CW mais conhecido como Telegrafia).
Nesta classe o radioamador pode operar em telegrafia na faixa de 80 metros, nas de freqüências de 3.500 a 3.635 kHz; em fonia na faixa de 80 metros, nas freqüências de 3.650 a 3.800 kHz; outras que serão descritos futuramente por não ser de imediato interesse de pessoas leigas. O órgão do Ministério das Comunicações expedidor do Certificado de Operador de Estação de Radioamador (COER) para uso de estação de radioamador é a ANATEL.


Equipamentos de fabricação industrial
Antenas típicas de radioamador
Acampamento típico de radioamador
Laboratório típico de eletrônica
 
Osmar do Prado e Silva (pu3yka) Pelotas, RS. - Radioamadorismo