============================================================================================
Pelotas - Cidade antiga -   Outras instituições - Cinemas e Teatros
   ============================================================================================
Outras instituições - Cinemas e Teatros - Na Cidade Antiga, as instituições de entretenimento, fazendo ou não parte da história de Pelotas e de sua históra. Quando couber, as fontes associadas a determinaa apresentação serão citadas.
Os antigos cinemas de Pelotas e seus respectivos destinos

Esta lista é de autoria de Francisco Antônio Vidal e aponta as novas utilizações, até 2009.
  • Cine Capitólio - rua Anchieta 2009. - Passou a ser utilizado para estacionamento de veículos.
  • Cine-Rádio Pelotense - rua Andrade Neves 2330. - Passou a ser utilizado para supermercado.
  • Theatro Guarany - rua Lobo da Costa 849. - Deixou de funcionar como cinema para funcionar com eventos.
  • Theatro Sete de Abril - Praça Cel. Pedro Osório 160. - Não é mais cinema.
  • Cine Rei - rua Andrade Neves 1967. - Virou magazine.
  • Theatro Avenida - Av. Bento Gonçalves 397. - Abandonado.
  • Cine Fragata. - Av. Duque de Caxias 668. - Hoje é casa noturna.
  • Cine Garibaldi. - rua Garibaldi 660-A. - Voltou a funcionar como antes, Galpão da Empresa Embaixador.
  • Cinema Praiano. - rua Tuparandi 366, (Praia do Laranjal) - Abandonado.
  • Theatro São Rafael. - Praça 20 de Setembro 846. - Em ruínas.
Foram demolidos e em seu lugar há novos prédios:
  • Cine-Theatro Apollo. - rua Gomes Carneiro 1661.
  • Cine América. - rua Quinze de Novembro 205.
  • Cinema Politeama. - Praça Cel. Pedro Osório 51.
  • Cinema Coliseu. - rua Anchieta 1346.
  • Cinema Ponto Chic. - rua Quinze de Novembro 602.
Foram ocupados por igrejas evangélicas:
  • Cine Tabajara. - rua Osório 1094.
  • Cine Esmeralda. - Av. Domingos de Almeida 2114.
  • Cine Glória. - Av. Cidade de Lisboa 245.
Francisco Antonio Vidal adverte que esta lista é de 2009, e tem que ser atualizada, pois já é de seu conhecimento algumas mucanças, como abaixo descreve:
  • Cine-Rádio Pelotense, que foi ocupado por uma igreja e está fechado novamente.
  • Theatro Sete de Abril, estava funcionando como teatro mas em 2010 foi interditado.
Em outra nota, Francisco Antonio Vidal comenta: Em Pelotas há cinema (um) e com o novo shopping abrirão mais em setembro de 2013, como descreve em seu blog: http://pelotascultural.blogspot.com.br/2009/06/o-unico-cinema-de-pelotas.html

Nota do Editor: Não consta na lista os seguintes cinemas:
  • Cine Ideal. - Av. Domingos de Almeida, logo adiante da Rua Comendador Rafael Mazza e na frente da Escola Municipal Piratinino de Almeida. - Fechado, abandonado e, possivelmente demolido para outra construção.
  • Cine Veterano. - Av. Fernando Osório (Acho que era Av Argentina, na época). Não lembro a localização. Desconheço seu final e novo destino.
Muitas outras informações como: data de inauguração, localização, além de imagens como é o caso do cinema Polytheama, poderão ser encontradas em: http://www.preteritaurbe.com/2014/11/cinemas-na-linha-do-tempo.html
Guarany Filmes
Antiga sede da Guarany Filmes, na rua Marechal Deodoro esquina com rua General Teles, produtora de filmes criada em 1912 por Francisco Santos e Francisco Xavier.  A empresa foi responsável pela criação da primeira obra de ficção produzida no Brasil: "Os Óculos do Vovô" de 1913.  Mais tarde Francisco Santos funda o Theatro Guarany, na rua Lobo da Costa. - em Pelotas.
Foto: Arthur Victoria Silva.
Fonte: Facebook - Pelotas Antiga,
Cine Capitólio


O Cine Capitólio após a reforma em 1967, que deixou a fachada com um aspecto modernista. Na época, os brise-soleils (quebrassóis em forma de barras paralelas) eram um ousado recurso arquitetônico, para proteger da luz e calor solar. A foto é do Capitólio, ainda quando como cinema nos anos 90, tendo de um lado o Edifício Ribas e de outro p Edifício Massot.
Cinema Capitólio, em sua decoração original. Vista interna desde a entrada, vendo-se, ao fundo, as cadeiras da plateia. Segundo Heloísa Assumpção (1989) o "Teatro Capitólio" (seu diminuto palco, planejado para o cinema, restringia o teatro a pequenas companhias de vaudeville) foi "construído por Manoel Ferreira, sob supervisão dos proprietários, apresentava, na fachada, larga porta de acesso e duas envidraçadas, serviam para escoamento do público. Dispunha de duas plateias com 1359 lugares e mais 200 balcões e 6 frisas. A farta instalação elétrica fora confiada a Antenor de Barros Farias, ao qual competia o cargo de Antônio Pastro e Filhos, e parte em Pelotas por Barcelos, Farias e Cia Ltda. A sala de espera, que era ornada com belos espelhos chanfrados, tivera-os, como a demais vidraria, instalados por F. Correa e Cia. Ferragens e 'marquises' tinham sido fabricadas por Joaquim Casamitjana. Três bilheterias atenderiam ao público. A direção geral caberia aos proprietários". Data aproximada: entre 1929 e 1930.
RB: CALDAS, 1996, p.100; ASSUMPÇÃO, 1989, p. 246-247/ FI: Cartão Postal. Fonte: Guilherme Pinto de Almeida. Acervo: Eduardo Arriada. Lançamento do Almanaque do Bicentenário de Pelotas Volume II - Data: Dia 26/05 - Horário: 19h - Local: Bibliotheca Pública Pelotense#almanaquedepelotas
Theatro Sete de Abril
Theatro Sete de Abril construído em 1870, Rua Marechal Floriano, frente à Praça Coronel Pedro Osório - Foto da primeira reforma 1916.   -   Foto: Pretérita uRBe/RS.
Theatro Sete de Abril construído em 1870, Rua Marechal Floriano, frente à Praça Coronel Pedro Osório - Foto depois da primeira reforma 1916.   -   Foto: Pretérita uRBe/RS.
Theatro Guarany
O Teatro Guarani durante sua construção em 1920, em obras inacabadas e ainda sem telhado - Fonte: Gisele de Albuquerque Fratini.
O Teatro Guarani já em pleno funcionamento
Theatro Guarany - Foto da saída de uma sessão vespertina na década de 30.
Localização: Rua Lobo da Costa, 849   -   Funcionamento: O Teatro é aberto somente quando há apresentações artístico-culturais ou com agendamentos.   -   Telefones para informações: (53)3225.7636

Construído entre 1920/21, projeto de Stanislau Szarfarki, Francisco Vieira Xavier, Francisco Santos e Rosauro Zambrano. Contrataram, no ano de 1920 o empreiteiro Paulino Rodrigues para a construção deste teatro.  Durante a obra houve uma mudança de construtor, passando a responsabilidade para a firma Rodrigues & Cia.  Sua capacidade, somando camarotes e platéia, é de aproximadamente 1500 lugares.  Possui mais 900 lugares na "geral" e 25 camarins para artistas.  A grande volumetria do prédio tem na sua fachada figuras e alegorias com motivos indígenas na platibanda vazada e acesso marcado por avanço volumétrico formando um terraço e marquise com linhas sinuosas do estilo Art-Nouveau em ferro e vidro.  Apresenta dois terraços laterais com colunas e pilastras dóricas que abrem portas para o "foyer", para recreio dos ocupantes dos camarotes. Internamente as pinturas do teto originais são de Willy Schmidt e Joaquim Lamas Filho.  As escadarias, com balaustradas de ferro trabalhado em renda, e degraus de mármore acessam à primeira e segunda ordens de camarotes.  Seus materiais vieram de diversos pontos do país e do exterior: a cúpula metálica do teto e mobília do salão e secretaria são de Buenos Aires; a marquise e gradís vieram da Fundição Indígena (RJ); os mármores e o pano de honra do teatro, da Itália; a mobília da platéia e camarotes, de Porto Alegre; as guarnições de veludo rouge dos parapeitos dos camarotes e cortinas, da Colchoaria Pelotense; as esculturas em mármore foram executadas por Angelo Giusti.
Foi inaugurado no dia 30 de abril de 1921 com a apresentação da ópera "O Guarany" de Carlos Gomes, a cargo da Companhia Lírica Italiana Maranti.  A data de 1920, estampada no tímpano do frontão, comemora os 50 anos da estréia desta ópera no Teatro Scala de Milão.  Durante a década de 70, sofreu grande reforma: reduziram o pé direito da platéia com um forro que escondeu as pinturas do teto, perdendo-se assim o "Paraíso".  Atualmente, o Teatro Guarany segue como casa de espetáculos e local de atos solenes, com destaque para cerimônias de formatura.
Em textos extraídos de: "Pelotas Memória - Fasc. V - 1990, de Nelson Nobre Magalhães", encontramos o seguinte:
Na Fase do Cinema Mudo: "A 18 de maio de 1921 inauguraram-se as sessões cinematográficas no Theatro Guarany, com o melodrama "Defraudando o Público", da Foxfilm, estrelado por Enid Markey.  Enorme multidão ficou fora do Theatro esperando a 2ª sessão e sendo vendidas três mil e oitocentas entradas.  A orquestra era regida pelo maestro Raul Moraes".
Inauguração do cinema Sonoro em Pelotas:  "A 17 de dezembro de 1930, a empresa Theatro Guarany e a Paramonut Films, faziam uma sessão especial para a imprensa e convidados, apresentando o aparelho sonoro "Western Eletric".  Inaugurava-se então no Theatro Guarany, com um film-jornal e a opereta "Alvorada do Mar", com Maurice Chevalier e Jeanette MacDonald, a era do cinema falado".
Nota: 1 - O Maestro Tomeu Tagnin, era também regente da Orquestra no cinema mudo.
Nota: 2 - O aparelho sonoro "Western Eletric" - décadas mais tarde foi substituído pelo Gaudmont Phaté (francês).
Theatro Avenida
Theatro Avenida, na Av. Bento Gonçalves 397, entre rua Marechal Deodoro e rua Barão de Santa Tecla. - Década de 1990.
Foto: www.almanaquedepelotas.com.br/almanaque-v3.pdf-Imagem 147/644.
Theatro Avenida
Cine Tabajara
Cine Tabajara - rua Osório, 1094. - Foto: Leni Oliveira
Cine América
Cine América. - rua Quinze de Novembro 205. - Década de 1970
Cine Rádio Pelotense
Cine-Rádio Pelotense - rua Andrade Neves 2330, entre rua Senador Mendonça e rua Major Cícero, ainda em funções originais - Década de 1990
Foto: www.almanaquedepelotas.com.br/almanaque-v3.pdf-Imagem 146/644.
Cinema Praiano
Cinema Praiano. - rua Tuparandi 366, (Praia do Laranjal) - Em uma publicação do Jornal do Laranjal, encontramos o seguinte texto:
CINEMA DO LARANJAL - * No dia 22 de fevereiro de 1967, o Cinema do Laranjal, pertencente ao falecido Dr. Wilson Mirenda, exibia na sessão das 21h o filme "Minha vontade é lei". Um filme estadunidense, de 1959, do gênero faroeste, dirigido por Edward Dmytryk, roteirizado por Robert Alan Aurthur, baseado no livro Warlock de Oakley Hall.  Valores das entradas na época, Cr$ 100 e 200 (Cruzeiros).
Foto: Arquivo - JL
Anúncios de Filmes nos Cinemas
Anúncios de Filmes nos Cinemas, e a Lista de Francisco Antonio Vidal, no topo desta página, além do Link para a página PretéritaUrbe, nos permite ver a grande quantidade de cinemas que existiam à época. Vejam que o anúncio do Theatro Guarany data de Quarta-Feira, 18 de maio de 1921.
Foto: www.almanaquedepelotas.com.br/almanaque-v2.pdf
Pelotas - Cidade antiga   -   Outras instituições - Cinemas e Teatros