Notícias Locais/Regionais:
    Diário Popular - Pelotas, RS 
    Correio do Povo - P. Alegre, RS 
    Zero Hora - Porto Alegre, RS
 
    Jornal Agora - Rio Grande, RS 

clicRBS

Últimas notícias

Carregando...

  Clima:   
   Pelotas - RS 
   Toda Região Sul 
   Geral - escolher região 
   Região sujeita a Raios/Trovoadas 
 WebCams no Brasil:   
  Rio de Janeiro-RJ Copacabana 
  R. de Janeiro-Copacabana Palace hotel 
  Natal-RN Ponta Negra beach 
  R. Janeiro Copacabana Beach Posto6 
  Santos-SP Itapecirica 
  Guarujá-SP - 16 Câmeras Robóticas 
 Câmeras pelo mundo:   
  Câmeras no mundo - Seleção e pesquisa 
Click to get your own widget
Osmar do Prado e Silva

...

Veja imagens de Satélite em Tempo Real   
Clique na imagem


Natureza Brasileira - Flora do Brasil - Frutos - pág. 5, provém de várias colaborações anônimas com imagens agrupadas após seleção.
 
Em "Frutos do Brasil pág. 05" estamos apresentando imagens e alguns comentários sobre os frutos cultivados, produzidos e/ou, introduzidos no Brasil, independentemente de suas origens.  Ao final de cada apresentação, procuraremos disponibilizar um link para redirecionar para outros sites contendo informações históricas, predominantemente para a enciclopédia Wikipédia.
Esta página abrange de:  [Pitaia]  a  [Uva].
P i t a i a.
O fruto Pitaia - O termo pitaia significa fruta escamosa, também sendo chamada de fruta-dragão em algumas línguas, como o inglês.  Como a planta só floresce pela noite (com grandes flores brancas) são também chamadas de Flor-da-Lua ou Dama da Noite.
O fruto aberto, cortado longitudinalmente, mostrando sua polpa.
 
Esquerda: O fruto, também sendo chamada de fruta-dragão pronto para comercialização - Direita: O fruto aberto, em corte transversal e, longitudinalmente, mostrando sua polpa.
Muda de pitaia amarela enraizada.
 
Esquerda: Produtor fazendo o manejo do cacto produtor de hilocéreo ou pitaia - Direita: Pitaia - Um exemplar de cacto produtor de hilocéreo ou pitaia (Hylocereus).
Origem: Pitaia (pitaya em PE), ou, ainda, saborosa, é o nome dado ao fruto de várias espécies de cactos epífitos, sobretudo do gênero Hylocereus mas também Selenicereus, nativas do México e América do Sul e também cultivadas no Vietnã, Malásia, Israel e China.   -   Ver Pitaia
P i t a n g a.
A Pitanga - Na mesma árvore, o fruto poderá ter desde as cores verde, amarelo e alaranjado até a cor vermelho intenso de acordo com o grau de maturação.  Existe outra espécie, homônima a Eugenia uniflora O. Berg, descrita em 1857, e renomeada Eugenia lineatifolia (O. Berg) Mattos em 1993.  Este fruto não é produzido comercialmente pois, quando maduro, fica muito tenro e danifica-se facilmente com o transporte.  Apesar disto, é apreciado no Brasil pois é muito saboroso, além de ser rico em cálcio.  É muito utilizado em licores, sucos, etc.
Fruto ampliado na árvore.
Pitangas na árvore.
Pitangas na árvore.
Pitangueira repleta de frutos.
Pitangueira com flores.
Pitangueira.
Origem: A pitangueira é uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, onde é encontrada na floresta semidecidual do planalto e nas restingas, desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul em regiões de clima subtropical.  Apesar de ser tipicamente brasileira, esta espécie atualmente pode ser encontrada na ilha da Madeira (Portugal), na América do Sul (Argentina, Bolívia, Guianas, Paraguai, Uruguai e Venezuela), América Central (incluindo Caribe), América do Norte (exceto Canadá) e África (Gabão, África do Sul e Madagascar).   -   Ver Pitanga
P i t o m b a.
A pitomba possui em geral um a dois caroços revestidos por uma camada fina e suculenta, adocicada e um pouco ácida. Quando madura, a fruta tem a cor laranja e em média cerca de três centímetros.  Estes frutos são comercializados nas feiras das regiões Norte e Nordeste no Brasil, sendo muito procurados por pássaros e amplamente cultivados em pomares domésticos por todo o país.
 
Esquerda: Um vendedor ambulante de Pitombas. - Direita: Os frutos na Pitombeira.
 
Esquerda: Pitombas servidas para consumo. - Direita: Um fruto descascado mostrando seu interior.
 
Esquerda: Pomar de Pitombas. - Direita: Pitombeira mostrando uma área da planta, com pitombas, em ampliação.
Origem: A pitomba (ou o pitombo) é o fruto da pitombeira (Talisia esculenta), árvore presente desde a Região Amazônica até a Mata Atlântica, do Nordeste do Brasil ao Rio de Janeiro, que chega a ter até doze metros de altura. Em alguns sites é cidata sua origem como sendo do Cerrado Brasileiro.   -   Ver Pitomba
P u p u n h a.
Os frutos são frequentemente consumidos depois de cozidos em água e sal ou na forma de farinha ou óleo comestíveis.  Contudo, também podem ser matéria-prima para a fabricação de compotas e geleias.¨ Existe uma grande variedade de aves que se alimentam da pupunheira silvestre, principalmente as araras, os papagaios e os periquitos (Psittacidae), os quais, ocasionalmente, podem ser espécies endêmicas com risco de extinção.
Detalhe do fruto da pupunha.
 
Esquerda: O fruto cortado longitudinalmente mostrando a polpa e o caroço. - Direita: Frutos maduros.
Esquerda: Pupunheira com frutos - Centro : Caroço aberto mostrando a amêndoa. Direita: Frutos da pupunheira.
Origem: Bactris gasipaes Kunth, conhecida pelos nomes comuns de pupunha, pupunheira e pupunha-verde-amarela, é uma planta da família Arecaceae (antiga Palmae).  Pode crescer até 20 m e é originária das florestas tropicais do continente americano. É muito conhecida e consumida pelas populações nativas da América Central até a Floresta Amazônica, sendo há séculos utilizada na sua alimentação.   -   Ver Pupunha
Q u i u i   o u   K i w i.
Quiuí, quivi ou kiwi é um fruto comestível proveniente de algumas espécies do gênero Actinidia, e seus híbridos.  Os frutos dos cultivares mais comuns são ovais, com o tamanho aproximado de um ovo de galinha (5 a 8 cm de comprimento e 4.5 a 5.5 cm de diâmetro).  O fruto tem uma casca fibrosa, baça, castanho-esverdeada que recobre uma polpa verde brilhante ou verde-amarelada que contém fileiras de pequenas sementes negras comestíveis.  Quando maduro o fruto é sumarento e macio, com um paladar e cheiro muito característicos.
Frutos na árvore.
Uma planta de kiwi com frutos.
Um pomar de quiuí com frutos.


 
Esquerda: Flores femininas do quiuí - Direita: Flores masculinas do quiuí.
Origem: Quiuí, quivi ou kiwi são frutas originárias do sul da China.  São plantas típicas de locais com clima temperado ou subtropical de montanha.  As variedades de fruto mais amplamente comercializadas são produzidas por diversos cultivares da espécie Actinidia deliciosa e, em muito menor quantidade, por algumas variedades de Actinidia chinensis.  Tanto a Actinidia deliciosa quanto a Actinidia chinensis são nativas do sul da China, tendo o kiwi sido declarado o Fruto Nacional da República Popular da China.  Outras espécies de Actinidia são também nativas da China, com uma distribuição que se estende para leste até o Japão e para norte e noroeste até o sueste da Sibéria.   -   Ver Quiui
R a m b u t ã o   o u   R a m b u t a n.
Rambutão-Fruto inteiro e aberto.   O rambutão é um fruto comestível, muito abundante no Sudeste Asiático, sobretudo na Tailândia.  É de cor vermelha (podendo raramente apresentar também cor amarela ou alaranjada), com uma casca dura revestida de "espinhos" tenros, assemelhando-se a pequenos ouriços.  O seu interior é carnudo, com uma polpa translúcida de cor rosada, de sabor doce e ligeiramente ácido.  Contém apenas uma semente (caroço), de cor acastanhada, tóxica, pelo que nunca deve ser consumida com a sua polpa.
 
Esquerda: Rambutão-Fruto aberto - Direita: Rambutão-Fruto fechado.
Origem: O rambutão, rambutã, rambutan ou rambotã é o fruto da rambutaneira (Nephelium lappaceum), uma árvore tropical de tamanho médio, da família das Sapindaceae, que se julga ser nativa do Arquipélago Malaio.   -   Ver Rambutão
R o m ã.
 
Esquerda: Romã, o fruto da romãzeira. - Direita: Os Frutos sendo transportados.
 
Esquerda: Fruto fechado e aberto. - Direita: Frutos na árvore.
 
A romã é uma infrutescência da romãzeira (Punica granatum) e não uma fruta.  O seu interior é subdividido por finas películas, que formam pequenas sementes possuidoras de uma polpa comestível.
Origem: Segundo pesquisadores russos, a romãzeira provém da Grécia, Síria e Chipre e também centro do Oriente Próximo, que inclui o interior da Ásia Menor, a Transcaucásia, o Irã e as terras altas do Turcomenistão, junto com outras plantas frutíferas como a figueira, macieira, pereira, marmeleiro, cerejeira, amendoeira, avelaneira e castanheira.   -   Ver Romã
S a p o t i.
O Fruto fechado e, aberto mostrando a polpa e semente.
O fruto aberto, em corte longitudinal, mostrando a polpa.
Os frutos no Sapotizeiro.
 
Esquerda: Frutos maduros, abertos. - Direita: Fruto na árvore.
Esquerda: Frutos expostos para venda. - Centro: Frutos na planta. - Direita: Um Sapotizeiro.

   

O Sapotizeiro

O Sapotizeiro (Manilkara achras / Achras zapota) é uma árvore da família Sapotaceae que produz o sapoti ou sapota.  Seu látex é utilizado para fabricação de goma de mascar (chicle ou chiclete), cabos de ferramentas e móveis.

É conhecida no Brasil como Sapoti, com o qual se fazia originariamente a goma de mascar.
O chicle é extraído dessa árvore do mesmo modo que o látex da borracha, ou seja, são feitos com um canivete, uma série de cortes em "V" no seu tronco, um acima do outro mas alinhados por um corte ao prumo (os cortes anteriores já cicatrizados são escarificados)
A árvore Sapota, ou sapoti, também produz uma fruta comestível do tamanho de uma ameixa, com uma polpa marrom translúcida.
Origem: Sapotizeiro é originário da América Central, desenvolvendo-se em regiões de clima subtropical da Ásia, América e Oceania.  Na índia existem cerca de vinte variedades.   -   Ver Sapoti
S a p u c a i a.
 
Esquerda: Opérculos do fruto (que é um pixídio) fechados e um aberto mostrando uma castanha muita parecida com um caroço de Pêssego. - Direita: Um opérculo do fruto aberto.  Parece que se vê um olho.   O nome popular é cumbuca de macaco.  Dentro dele presas a uma coluna estão as sementes arredondados ou ovais, com cerca de 4 a 6 cm de comprimento, parecidas com a castanha-do-pará, com sabor agradável e oleaginoso.  É apreciada pela fauna selvagem, principalmente macacos e morcegos, que comem o arilo que envolve a semente e a jogam fora, ajudando na dispersão da planta.
 
Esquerda: Cumbuca aberta. - Direita: Cascas de Cumbuca.
 
Esquerda: Frutos fechados na árvore. - Direita: Cumbucas abertas na árvore.
 
As árvores utilizadas para ornamentação.
Origem: A Sapucaia - Lecythis pisonis, popularmente conhecida por sapucaia ou cabeça-de-macaco, é uma árvore brasileira da família das lecitidáceas.  Sua semente é chamada castanha-de-sapucaia.  A palavra sapucaia tem origem tupi, ainda que existam diferenças nas propostas etimológicas: pode resultar da união dos elementos sa, puca e ia (respectivamente: olho - que se abre - cabaça)  Existe na floresta amazônica ocidental, principalmente ao longo do Rio Amazonas, e na Mata Atlântica pluvial, do Piauí até São Paulo.   -   Ver Sapucaia
S e r i g u e l a.
A Seriguela é uma drupa elipsoidal de cor amarelada ou mesmo avermelhada quando maduro, com comprimento entre 2,5 e cinco centímetros.  Pesa entre quinze e vinte gramas.  A camada de polpa é fina, com cerca de três milímetros, com um caroço do tamanho de uma azeitona grande.  É parecida com o cajá mas, ao contrário desse, é bastante doce.
Seriguela (nome da árvore) com frutos (também chamados Seriguela).
Seriguela - detalhe.
 
Origem: Seriguela, ciriguela ou ciruela (Spondias purpurea) é o nome de uma árvore da família das anacardiáceas e também de seu fruto.  É uma árvore de porte médio, podendo atingir até sete metros.  Originária da América Central e da América do Sul, é bastante comum na Região Nordeste do Brasil.  A ciriguela encontra-se no sul do México, na América Central, nas Antilhas e no Brasil (cerrado e caatinga), do nível de mar até os 1 200 metros de altitude.  Ocorrem exemplares dessa árvore em cidades dos estados brasileiros do Maranhão, do Rio de Janeiro, de Mato Grosso, de Mato Grosso do Sul, de Minas Gerais, da Bahia, de São Paulo e do Espírito Santo, sendo utilizada no paisagismo.  Há diversos exemplares da fruta vermelha em chácaras do Distrito Federal brasileiro.  A região sul do estado do Ceará é, hoje, o maior produtor de ciriguela do Brasil.   -   Ver Seriguela
T a m a r i n d o.
O Tamarindo - Possui um sabor doce, porém bastante ácido, por esse motivo é pouco consumido in natura.  A polpa pode ser usada no preparo de doces, bebidas, conserva, sorvetes, licores e sucos concentrados.  Na Índia é usado como tempero para arroz, carne, peixe e outros alimentos salgados.  As sementes são aproveitadas na indústria alimentícas, utilizadas como estabilizantes de sucos e alimentos.
O fruto - tamarindo ou tamarino - é uma vagem alongada com 5 a 15 cm. de comprimento, com casca pardo-escura, lenhosa e quebradiça; as sementes em números de 3 a 8 estão envolvidas por uma polpa parda e ácida contendo açucares (33%), ácido tartárico (11%), ácido acético, ácido cítrico.  Cem gramas de polpa contém 272 calorias, 54 mg. cálcio, 108 mg. fósforo, 1 mg. de ferro, 7 ug. Vit. A, 0,44 mg. Vit. B e 33 mg. Vit. C.
Frutos colhidos verdes.
 
Frutos na árvore, o Tamarindeiro.
As duas imagens à esquerda demonstram o uso típico do Tamarindo, como doces e geleias, entre outros   -   à direita os Tamarindeiros como pomar ou uso ornamental.
 
Tamarineiros índica.
Origem: O tamarindeiro ou tamarineiro (Tamarindus indica L., Sp. Pl. 1: 34. 1753), é originário das savanas africanas, embora seja cultivado principalmente na Índia.  No Brasil, o fruto é bastante consumido no Norte e Nordeste do Brasil.  Árvore bastante decorativa, sua altura pode chegar aos 25 metros.  O tronco divide-se em numerosos ramos curvados, formando copa densa e ornamental; as folhas são compostas e sensíveis (fecham por ação do frio), flores hermafroditas amarelas ou levemente avermelhadas (com estrias rosadas ou roxas) que se reúnem em pequenos cachos axilares.   -   Ver Tamarindo
U m b ú.
O Umbú - Fruto muito apreciado e consumido, tanto pelo homem como pela fauna, o umbu possui um caroço revestido por uma suculenta polpa e, na superfície, por uma película esverdeada, tendendo, à medida que amadurece, para a cor amarela.  O umbu tem, em média, de três a quatro centímetros de diâmetro
 
Esquerda: Frutos do Umbú. - Direita: Frutos no Umbuzeiro.
 
Esquerda: Umbuzeiro com frutos. - Direita: O Umbuzeiro se destaca por sombra e aconchego.
Origem: Umbuzeiro ou Imbuzeiro - Spondias tuberosa, L., Anacardiaceae, árvore de pequeno porte (mede até seis metros de altura) de copa larga (até quinze metros de largura) originária dos chapadões semi-áridos do Nordeste brasileiro, que se destaca por sombra e aconchego.  Nos tempos do Brasil Colônia era chamado de ambu, imbu, ombu, corruptelas da palavra tupi-guarani "y-mb-u", que significava "árvore-que-dá-de-beber" (embora haja a possibilidade de que seja, de fato, uma palavra de origem Kariri1).   -   Ver Umbú
U v a.
A uva é o fruto da videira (Vitis sp.), uma planta da família das Vitaceae.  É utilizada frequentemente para produzir sumo, doce (geleia), vinho e passas, podendo também ser consumida crua.






Esquerda: Uma vinícola. - Centro: Uvas Autumn Royal (sem sementes). - Direita: Folhas de Videira de uvas Concord.
Origem: A videira, vinha ou parreira é uma trepadeira da família das vitáceas, com tronco retorcido, ramos flexíveis, folhas grandes e repartidas em cinco lóbulos pontiagudos, flores esverdeadas em ramos, e cujo fruto é a uva.  Originária da Ásia, a videira é cultivada em todas as regiões de clima temperado.  A videira produz as uvas, fruto de cujo suco se produz o vinho.  No Brasil o cultivo da videira começou em 1535, na Capitania de São Vicente trazida pelos portugueses. A imigração italiana em São Paulo e na Região Sul do Brasil no final do século XIX deu um grande impulso à cultura.   -   Ver Uva
Pu3yka - Brasil - Natureza Brasileira - Flora do Brasil - Frutos - pág. 5